quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A REENCARNAÇÃO


"O conceito da reencarnação é fundamental na filosofia teosófica. É uma chave que descortina a compreensão de muita coisa acerca da vida humana, que de outra forma permanece sem explicação. No Mundo Ocidental, a maioria geralmente aceita a doutrina de que a alma é criada no nascimento do corpo físico. Entretanto, nos círculos religiosos, existe atualmente um interesse reservado na teoria da reencarnação, e o assunto tem sido até discutido nas áreas da psicologia e antropologia.
Muitos pensadores jamais foram capazes de aceitar um Deus que a determinados indivíduos concede condições de fartura e riqueza e a outros, pobreza e privações; a alguns, concede inteligência e talentos artísticos, negando a outros esses benefícios; que a alguns favorece com grande beleza física e infringe a todos a amargura de deformidades. Estas, e miríades de outras desigualdades são vistas a cada canto. E a pessoa observadora e compassiva pergunta - Como podem reconciliar-se com o conceito de um Deus de justiça e amor, se cada alma é criada de per si? (...)
Além disso, a maioria seria da opinião de que aquilo que se inicia com o tempo deve terminar com o tempo. Contudo, de acordo com os que advogam o ponto de vista tradicional, supõe-se ter a alma um futuro infindável, embora não possua passado. Isso teria tanta razão de ser como se imaginássemos uma vara apenas com uma terminal."

(Emogenes Simmons, Curso Básio de Teosofia, Lição V, Loja Teosófica Dharma)




http://lojateosoficadharma.blogspot.com.br/2017/11/a-reencarnacao-curso-basico-de-teosofia.html

terça-feira, 21 de novembro de 2017

FOCO NO PRESENTE


"A mente, inconscientemente, adora problemas porque eles podem ser de vários tipos. Isso é normal e doentio. A palavra 'problema' significa que estamos lidando mentalmente com uma situação sem que exista um propósito real ou uma possibilidade de agir no momento, e também que estamos inconscientemente fazendo dela uma parte do nosso sentido de eu interior. Ficamos tão sobrecarregados pela nossa situação de vida que perdemos o sentido da vida, ou do Ser. Ou então vamos carregando na mente o peso insano de uma centena de coisas que iremos ou poderemos ter de fazer no futuro, em vez de focalizarmos a atenção sobre uma coisa que podemos fazer agora."

(Eckhart Tolle - Praticando o Poder do Agora)

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

1° SIMPÓSIO DE TRANSDISCIPLINARIDADE E ASTROLOGIA




MAIORES INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO

OBJETIVO DA PROPOSTA:

Promover o Pensamento Sistêmico , Transdisciplinar e a Complexidade como modelos do pensar, indo além dos pacotes disciplinares e os recortes propostos pela especialidade técnica, redescobrindo, discutindo a luz do rigor e dos outros saberes inclusive os saberes relegados ao esquecimento.



Horários e Programação:

08:30 – abertura e credenciamento


09:30 - O Paradigma da Complexidade : Uma abordagem da Inteireza Humana
Na Perspectiva do paradigma da complexidade, propõe-se uma reflexão sobre a Construção de um individuo que possa se perceber como agente atuante numa grande teia interconectada com todos os segmentos da vida.

Celso Klammer
Doutor em Educação, Filósofo, Autor do Livro : Tecnologias da Informação e Comunicação


10:30 - Natureza Humana :  Até onde Freud explica ?
 O Surgimento das Ciências Humanas com foco na Psicanálise de Freud. O Inconsciente e seus aspectos desafiadores com relação a transdisciplinaridade contemporânea.

Antonio Vitorino
Mestre em psicologia, Professor e psicoterapeuta, Psicodramatista


11:30 - Transdisciplinaridade e práticas Sociais
A complexidade e transdisciplinaridade nas práticas e relações sociais. Aquilo que compreendemos como o domínio das ciências não se restringe aos âmbitos científicos, acadêmicos ou de laboratórios. Suas teorias adjacentes tem relação com nossa maneira de ver, interpretar e agir no mundo.

Helena Rodrigues
Pedagoga, Psicóloga, Mestre em Psicologia, PHD em Estética, Valores e Cultura


12:30 – intervalo para almoço


14:30 - Trivium e Quadrivium : A Universidade na Europa nos Séculos XII e XIII
A organização dos saberes nos séculos XII e XIII na Europa : Dialética, Gramática, Retórica, Geometria, Aritmética, Música e Astronomia ( Astrologia ) e a produção dos saberes sob uma ótica integrada.

Cesar Bueno
Astrólogo, Estudioso de história, Membro do Sindicato dos Astrólogos do Estado de São Paulo


15:30 - Antropocosmos : Do Big Bang a Emergência da Consciência
Um Estudo sobre a evolução do Universo desde suas origens, evoluçaão estelar, surgimento da vida, das memórias, dos neurônios, da complexidade, surgindo o sujeito humano, sua psiquú como uma extensão complexa do Universo. O Antropocosmos e a Astrologia.

Carlos Fini
Astronomo, Astrólogo, Especialista em simuladores de Ciencia voltadas a pesquisa e ambientes imersivos em Astronomia e Ciências complexas.


 16:30 - Mesa Redonda: Complexidade, Conhecimento e Astrologia
Com a presença de Professores e profissionais de Astrologia

Adriane Fayet
Angelis Cavichiolo
Cesar Bueno


17:30 - Encerramento

A ILUSÃO É PASSAGEIRA


"O homem pode usar equivocadamente seu livre-arbítrio por algum tempo, considerando-se mortal, mas essa ilusão passageira nunca conseguirá apagar em seu íntimo a marca da imortalidade e a imagem divina da perfeição. A morte prematura de uma criança talvez não lhe haja permitido usar seu livre-arbítrio para a virtude ou para o vício. Mas a Natureza trará sua alma de volta à  Terra, dando-lhe a oportunidade de usar o livre-arbítrio a fim de redimir o karma passado, que a fez morrer tão jovem, e praticar as boas ações que propiciam a libertação.
Se uma alma imortal não conseguiu, ao longo de uma existência, eliminar as ilusões que a subjugam, precisa de mais períodos de aprendizado para tomar conhecimento de sua imortalidade inata. Só então poderá retornar ao estado de consciência cósmica. As almas comuns reencarnam compelidas por seus desejos mundanos; as almas superiores, ao contrário, apenas em parte vêm à Terra para cumprir o karma, pois seu principal objetivo é atuar como filhos nobres de Deus e apontar às criaturas perdidas o caminho para a morada
celeste do Pai."

(Paramahansa Yogananda, Karma e Reencarnação, Universalismo)
http://universalismoesoterico.blogspot.com.br

domingo, 19 de novembro de 2017

SOBRE A CONFUSÃO DA MENTE


"Se nunca conhecemos o amor, mas só lutas, misérias, conflitos infindáveis, como podemos experimentar aquele amor que nada tem em comum com essas coisas? Uma vez conhecido o amor, já não precisamos ter o trabalho de procurar aquela relação. Então, o amor, a inteligência, entram em ação. Mas, para se experimentar esse estado têm de extinguir-se todo o saber, todas as lembranças acumuladas, todas as atividades egocêntricas, para que a mente não seja mais capaz de projetar sensações. Então, com a experiência desse estado, haverá ação neste mundo.
Sem dúvida, esta é a finalidade da existência — transcender a atividade egocêntrica da mente. Depois de experimentar esse estado que não é mensurável pela mente, então essa própria experiência efetuará uma revolução interior. Então, havendo amor, não haverá mais problema social. Não há mais problemas, quando há amor. Porque não sabemos amar, temos os problemas sociais e sistemas filosóficos para resolvê-los. Digo que esses problemas nunca serão resolvidos por sistema algum, nem da esquerda, nem da direita, nem do centro. Só serão resolvidos — nossa confusão, nosso sofrimento, nossa autodestruição — quando pudermos experimentar aquele estado que não é projetado de nós mesmos."

(J. Krishnamurti, A Primeira e Última Liberdade, Cultrix, pg. 232)

sábado, 18 de novembro de 2017

A BUSCA DA FELICIDADE NO LUGAR ERRADO



"Buscar a felicidade fora de nós mesmos é como tentar agarrar uma nuvem. A felicidade não é uma coisa: é um estado mental. Precisa ser vivida. Nem o poder mundano nem os esquemas de ganhar dinheiro poderão jamais captar a felicidade. A inquietação mental resulta de uma percepção voltada para fora. E essa inquietação significa que a felicidade sempre se mostrará esquiva. O
poder temporal e o dinheiro não são estados da mente. Uma vez obtidos, apenas diluem a felicidade. Com certeza não a podem concentrar.
Quanto mais dispersamos nossas energias, menos poder nos sobra para aplicar a um empreendimento específico. Os hábitos envolventes da preocupação e do nervosismo brotam de profundezas abissais no
subconsciente, lançando tentáculos à volta de nossa mente e eliminando de vez toda a paz interior que porventura tenhamos desfrutado.
A verdadeira felicidade nunca será encontrada fora do Eu. Quem a procura ali age como se estivesse à cata do arco-íris em meio às nuvens!"

(Paramahansa Yogananda, Como ser feliz o tempo todo, Universalismo)
http://universalismoesoterico.blogspot.com.br

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

1° SIMPÓSIO DE TRANSDISCIPLINARIDADE E ASTROLOGIA


MAIORES INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO


OBJETIVO DA PROPOSTA:


Promover o Pensamento Sistêmico , Transdisciplinar e a Complexidade como modelos do pensar, indo além dos pacotes disciplinares e os recortes propostos pela especialidade técnica, redescobrindo, discutindo a luz do rigor e dos outros saberes inclusive os saberes relegados ao esquecimento.



Horários e Programação:

08:30 – abertura e credenciamento


09:30 - O Paradigma da Complexidade : Uma abordagem da Inteireza Humana
Na Perspectiva do paradigma da complexidade, propõe-se uma reflexão sobre a Construção de um individuo que possa se perceber como agente atuante numa grande teia interconectada com todos os segmentos da vida.

Celso Klammer
Doutor em Educação, Filósofo, Autor do Livro : Tecnologias da Informação e Comunicação


10:30 - Natureza Humana :  Até onde Freud explica ?
 O Surgimento das Ciências Humanas com foco na Psicanálise de Freud. O Inconsciente e seus aspectos desafiadores com relação a transdisciplinaridade contemporânea.

Antonio Vitorino
Mestre em psicologia, Professor e psicoterapeuta, Psicodramatista


11:30 - Transdisciplinaridade e práticas Sociais
A complexidade e transdisciplinaridade nas práticas e relações sociais. Aquilo que compreendemos como o domínio das ciências não se restringe aos âmbitos científicos, acadêmicos ou de laboratórios. Suas teorias adjacentes tem relação com nossa maneira de ver, interpretar e agir no mundo.

Helena Rodrigues
Pedagoga, Psicóloga, Mestre em Psicologia, PHD em Estética, Valores e Cultura


12:30 – intervalo para almoço


14:30 - Trivium e Quadrivium : A Universidade na Europa nos Séculos XII e XIII
A organização dos saberes nos séculos XII e XIII na Europa : Dialética, Gramática, Retórica, Geometria, Aritmética, Música e Astronomia ( Astrologia ) e a produção dos saberes sob uma ótica integrada.

Cesar Bueno
Astrólogo, Estudioso de história, Membro do Sindicato dos Astrólogos do Estado de São Paulo


15:30 - Antropocosmos : Do Big Bang a Emergência da Consciência
Um Estudo sobre a evolução do Universo desde suas origens, evoluçaão estelar, surgimento da vida, das memórias, dos neurônios, da complexidade, surgindo o sujeito humano, sua psiquú como uma extensão complexa do Universo. O Antropocosmos e a Astrologia.

Carlos Fini
Astronomo, Astrólogo, Especialista em simuladores de Ciencia voltadas a pesquisa e ambientes imersivos em Astronomia e Ciências complexas.


 16:30 - Mesa Redonda: Complexidade, Conhecimento e Astrologia
Com a presença de Professores e profissionais de Astrologia

Adriane Fayet
Angelis Cavichiolo
Cesar Bueno


17:30 - Encerramento

COMPREENDENDO A MEDITAÇÃO


" Na compreensão da meditação, há amor, que não é produto de sistemas, hábitos ou acompanhamento de um método. O amor não pode ser cultivado pelo pensamento. Talvez possa vir à existência no completo silêncio, silêncio no qual o meditador encontra-se inteiramente ausente; e a mente só pode silenciar quando compreende seu próprio movimento, como pensamento e sentimento. Para compreendê-lo, não pode haver condenação no observar. Observá-lo assim é disciplina, mas um tipo de disciplina fluida, livre, não a disciplina da conformidade."

(J. Krishnamurti, Meditations)

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O PROPÓSITO DA MEDITAÇÃO


"Na imobilidade e no silêncio da meditação, retornamos num lampejo àquela profunda natureza interior que há tanto perdemos de vista para o mundo dos negócios e das distrações da nossa mente. Não é extraordinário que ela só possa se acalmar por uns poucos instantes sem aferrar-se a uma distração? Nossa mente é de tal forma inquieta e preocupada que às vezes penso que viver numa cidade em nosso mundo de hoje é já viver como os seres atormentados do estágio intermediário que se segue à morte, quando se diz que a consciência é angustiosamente inquieta. De acordo com algumas autoridades, mais de 13% das pessoas nos Estados Unidos sofrem de algum tipo de desordem mental. O que isso diz sobre o modo como vivemos?
Somos fragmentados em tantos aspectos diferentes! Não sabemos quem de fato somos, com que aspectos de nós mesmos devemos nos identificar, ou em quais devemos crer. Tantas vozes, comandos e sentimentos diferentes lutam pelo controle de nossa vida interior que vemo-nos dispersos por toda a parte, em todas as direções, deixando a casa sem ninguém. A meditação, é então, trazer a mente para casa." 

(Sogyal Rinpoche - O Livro Tibetano do Viver e do Morrer - Ed. Talento/Ed. Palas Athena, p. 89)

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

1° SIMPÓSIO DE TRANSDISCIPLINARIDADE E ASTROLOGIA




MAIORES INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO


OBJETIVO DA PROPOSTA:

Promover o Pensamento Sistêmico , Transdisciplinar e a Complexidade como modelos do pensar, indo além dos pacotes disciplinares e os recortes propostos pela especialidade técnica, redescobrindo, discutindo a luz do rigor e dos outros saberes inclusive os saberes relegados ao esquecimento.



Horários e Programação:

08:30 – abertura e credenciamento


09:30 - O Paradigma da Complexidade : Uma abordagem da Inteireza Humana
Na Perspectiva do paradigma da complexidade, propõe-se uma reflexão sobre a Construção de um individuo que possa se perceber como agente atuante numa grande teia interconectada com todos os segmentos da vida.

Celso Klammer
Doutor em Educação, Filósofo, Autor do Livro : Tecnologias da Informação e Comunicação


10:30 - Natureza Humana :  Até onde Freud explica ?
 O Surgimento das Ciências Humanas com foco na Psicanálise de Freud. O Inconsciente e seus aspectos desafiadores com relação a transdisciplinaridade contemporânea.

Antonio Vitorino
Mestre em psicologia, Professor e psicoterapeuta, Psicodramatista


11:30 - Transdisciplinaridade e práticas Sociais
A complexidade e transdisciplinaridade nas práticas e relações sociais. Aquilo que compreendemos como o domínio das ciências não se restringe aos âmbitos científicos, acadêmicos ou de laboratórios. Suas teorias adjacentes tem relação com nossa maneira de ver, interpretar e agir no mundo.

Helena Rodrigues
Pedagoga, Psicóloga, Mestre em Psicologia, PHD em Estética, Valores e Cultura


12:30 – intervalo para almoço


14:30 - Trivium e Quadrivium : A Universidade na Europa nos Séculos XII e XIII
A organização dos saberes nos séculos XII e XIII na Europa : Dialética, Gramática, Retórica, Geometria, Aritmética, Música e Astronomia ( Astrologia ) e a produção dos saberes sob uma ótica integrada.

Cesar Bueno
Astrólogo, Estudioso de história, Membro do Sindicato dos Astrólogos do Estado de São Paulo


15:30 - Antropocosmos : Do Big Bang a Emergência da Consciência
Um Estudo sobre a evolução do Universo desde suas origens, evoluçaão estelar, surgimento da vida, das memórias, dos neurônios, da complexidade, surgindo o sujeito humano, sua psiquú como uma extensão complexa do Universo. O Antropocosmos e a Astrologia.

Carlos Fini
Astronomo, Astrólogo, Especialista em simuladores de Ciencia voltadas a pesquisa e ambientes imersivos em Astronomia e Ciências complexas.


 16:30 - Mesa Redonda: Complexidade, Conhecimento e Astrologia
Com a presença de Professores e profissionais de Astrologia

Adriane Fayet
Angelis Cavichiolo
Cesar Bueno


17:30 - Encerramento

SOMOS DEUSES


"'Eu e meu Pai somos Um!', diz Jesus. Ele também ensina que 'Vós sois deuses!' Como pode ser isso?!
Com o passar do tempo nos materializamos tanto, que perdemos a consciência de nossa conexão divina. Porém, ele afirma que somos deuses. Somos espíritos de luz vivendo em corpos físicos. Só que ao nos identificarmos com o corpo físico, com seus desejos e cuidados, também nos esquecemos de que o físico é 'apenas' um veículo que nos conduz durante a manifestação da Vida.
Tudo tem um propósito, nada é por acaso, como às vezes parece. Cada um de nós é único, original, uma nota musical soando na grande melodia cósmica. Somos originais, somos únicos, e isso é mágico. O que difere um dos outros é a capacidade que cada um tem de expressar a Vida Divina que habita em si. Essa vida infinita está latente e precisa se tornar atuante. Sejamos um instrumento para que ela se expresse no mundo!
Para fazermos isso, não precisamos ver reclusos; podemos agir no dia a dia, com ética, humildade, serviço e solidariedade.
A Fraternidade Universal é a essência que nos une. A separatividade é uma ilusão. Até como um ideal, podemos tentar praticar a fraternidade em nossas relações. É para aprender isso que nascemos e estamos evoluindo. Estar no mundo, mas não se apegar a ele. Uma vida maior espera por nós. Aqui e agora. 
Vamos!

(Fernando Mansur, Escrita Divina, pg. 144)

terça-feira, 14 de novembro de 2017

EU SOU


"Eis a canção que escutei o Sábio cantar:
Não sou o que pensava ser. 
O que julgava Real era apenas sombra.
O que cria valer, valor não tinha.
O consciente revelou-se-me não ser.
Vi a impermanência do que eterno me parecia.
Vi mentiras escondidas em reposteiros de verdades.
Ao desiludir-me, vi sorrisos disfarçando prantos.
Em meu desencanto descobri maldades nos que supusera santos.
Quando me desenganei, constatei a estultícia de quem supusera ser sábio.
Vi tibieza nos que pareciam fortes.
Assim como o Real se veste de aparências, os homens se vestem de ilusões.
O mal não está em o Real vestir-se de maya, nem no homem que se veste de hipocrisia.
O mal está no engano, no encanto, nas ilusões que minha própria ignorância engendrava e nutria.
Desiludido, desenganado, desencantado, agora estou salvo.
Agora vejo.
Agora sei.
Agora Eu Sou”.
(Hermógenes – Mergulho na paz)

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

OS TRÊS FIOS DO CORDEL DO DESTINO



"Para os gregos, havia três Fados que teciam o cordel da vida. Para aquele que conhece a Sabedoria, há também três Fados, cada um deles tecendo um fio, sendo os três fios que eles tecem retorcidos em um, formando a resistente 
corda do Destino, que prende ou solta a vida do homem sobre a Terra. Esses 
três Fados não são as mulheres, as Parcas, da lenda grega, e sim as três forças da Consciência humana: o Poder da Vontade, o Poder do Pensamento e o Poder da Ação. São esses os Fados que torcem os fios do destino humano, e eles estão dentro do homem, e não fora. O destino do homem é autoconstruído; não é imposto arbitrariamente do exterior; seus próprios 
poderes, encequecidos pela ignorância, torcem a corda que os entrava, e seus próprios poderes, dirigidos pelo conhecimento, liberam seus membros dos grilhões autocompostos e deixam-no livre da escravização."

(Annie Besant, O Enigma da Vida, Universalimo, pg. 33)

domingo, 12 de novembro de 2017

ALTERAÇÕES DE HUMOR BLOQUEIAM O SEU PROGRESSO


"Você pode dominar os humores, por mais terríveis que sejam. Decida que não vai mais ser temperamental e, se o humor negativo surgir apesar de sua resolução, analise a causa e tome providências construtivas. Não continue a agir com indiferença, se essa for a sua atitude, pois a indiferença é o pior de todos os estados de ânimo. Nessas horas, lembre- se de que não é seu próprio criador: Deus o criou e está dirigindo o universo para você. Seja qual for o seu trabalho, faça-o com entusiasmo, para Ele. Ocupe-se com atividades criativas, pois Ele lhe deu poder infinito. Como se atreve a ser um fracasso mental, entregando-se ao tóxico das mudanças de humor? Liberte-se desses estados mentais devastadores; são verdadeiros freios nas rodas de seu progresso. Enquanto não os soltar, não poderá ir adiante. Todas as manhãs, recorde-se de que é filho de Deus e que, sejam quais forem as dificuldades, você tem o poder de superá-las. Herdeiro do poder cósmico do Espírito, você é mais perigoso do que o perigo!"

(Paramahansa Yogananda – A Eterna Busca do Homem – Self-Realization Fellowship – p. 204)

sábado, 11 de novembro de 2017

DESENVOLVA O HÁBITO DE CONVERSAR COM DEUS


“O hábito de amar a Deus e com Ele conversar interiormente deveria ser cultivado não apenas por aqueles que vivem em mosteiros, mas também pelos que vivem no mundo. Isso pode ser feito – é necessário apenas um pouquinho de esforço. Todos os hábitos que você desenvolveu até agora são ações que desempenhou de maneira regular, quer física, quer mentalmente, até se tornarem uma segunda natureza em você. Mas foi preciso, algum dia, começar a criar esses hábitos. Agora é a hora de iniciar aqueles tipos de ações e de pensamentos que desenvolvam o hábito de conversar silenciosamente com Deus.”


(Sri Daya Mata – No Silêncio do Coração – Ed. Self-Realization Fellowship – p. 28)

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

CONSCIENTIZAÇÃO DO KARMA


"Para os tibetanos, o carma tem um significado realmente vivo e prático no seu cotidiano. Eles vivem de acordo com o princípio do carma, no conhecimento da verdade que contém, e essa é a base da ética budista. Eles o entendem como um processo justo e natural. O carma inspira neles, portanto, um sentido de responsabilidade pessoal em tudo o que fazem. Quando eu era jovem, minha família tinha um excelente empregado chamado A-pé Dorje, que gostava muito de mim. Ele era realmente um santo, e nunca fez mal a ninguém em toda sua vida. Sempre que, em minha infância, eu dizia ou fazia algo prejudicial, ele replicava gentilmente: 'Oh, isso não está certo'; desse modo, instilava em mim um profundo senso da onipresença do carma e um hábito quase automático de transformar minhas reações, caso algum pensamento nocivo me invadisse o coração.
É realmente tão difícil perceber o carma em ação? Não basta apenas olhar para trás em nossas vidas para ver com clareza as consequências de alguns de nossos atos? Quando aborrecemos ou ferimos alguém, isso não veio de volta contra nós? Não fomos deixados com uma amarga e negra recordação, e com as sombras da autodesaprovação? Essas recordações e sombras são o carma. Nossas hábitos e medos também provêm do carma, o resultado de ações, palavras e pensamentos que tivemos no passado. Se examinarmos nossas ações e tomarmos realmente consciência delas, veremos que há um padrão que se repete: sempre que agimos negativamente, isso resulta em dor e sofrimento; sempre que agimos positivamente, isso no final resulta em felicidade."

(Sogyal Rinpoche - O Livro Tibetano do Viver e do Morrer - Ed. Talento/Ed. Palas Athena, 1999 - p. 133/134)

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

COMPREENDER, COMPARTILHAR E AMAR


"O que é compartilhar? Será doar coisas de que não mais precisamos, a sobra da nossa fartura? Kahlil Gibran diz, no livro O Profeta: 'Você doa apenas um pouco quando doa de suas posses. Quando doa de si mesmo é que você verdadeiramente doa. Pois o que são suas posses senão coisas que você mantém e guarda com medo de que possa precisar delas amanhã? E o que é o medo da necessidade senão a própria necessidade?'
Não podemos dar e partilhar nossa compreensão, e não podemos compreender os outros sem primeiramente compreendermos a nós mesmos. Podemos dar conhecimento aos outros, mas não sabedoria; o autoconhecimento é algo que devemos aprender de nós mesmos. (...)
Somos todos iguais. Todo mundo busca o amor. Queremos ser felizes e evitar o sofrimento. Mas se olho para a outra pessoa como sendo eu, então é mais fácil compreendê-la e amá-la. Quando eu me vejo no outro, então posso começar a sentir amor e compaixão. (...)"

(Pertti Spets - Compreender, compartilhar e amar - Revista Sophia, Ano 8, nº 29 - p. 19)

SIMPÓSIO DE TRANSDISCIPLINARIDADE E ASTROLOGIA

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

DESEMPENHE BEM O SEU PAPEL NO TEATRO DA VIDA


"É sábio esforçar-se para fazer a vontade divina em tudo, porque este é o caminho para a felicidade e para a paz de espírito. Se você analisar bem, verá que é uma ideia colossal. Um cosmos vastíssimo, com diferentes forças da natureza, está unido pelo poder regente de Deus. Tudo funciona em harmonia mútua com o Plano Divino. Somos parte do programa universal - assim como o sol, a lua e as estrelas. Temos de fazer a nossa parte; representar o papel que nos foi designado por Deus, e não o que queremos representar. Quando você usa sua própria vontade em oposição à vontade divina, estraga a dramatização, pois não contribui com a parte que lhe cabe na realização do grande plano deste universo. Devemos dizer: 'Farei o que Deus quer que eu faça'. Acho que assim você será muito mais feliz e pacífico; estará muito melhor.”

( Paramahansa Yogananda - O Romance com Deus)

terça-feira, 7 de novembro de 2017

SUGESTÕES PRÁTICAS PARA A VIDA DIÁRIA


“Nossa própria natureza é tão vil, orgulhosa, ambiciosa, e tão cheia de seus próprios apetites, julgamentos e opiniões, que se as tentações não a dominassem, ela se deterioraria irremediavelmente; portanto somos tentados até o fim para que possamos conhecer a nós mesmos e ser humildes. Sabe que a maior das tentações é a de não ter tentação alguma, por esse motivo alegra-te quando elas te assaltarem , e com resignação, paz e constância, resiste a elas.”
(Blavatsky, Ocultismo Prático, Editora Teosófica)

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

TRANSFORMAÇÃO INTERIOR


"Nós contatamos o mundo através da sensação. Todas as sensações são agradáveis ou dolorosas. Quando a sensação é agradável, a mente agarra-se a esta, nela se prendendo. O desejo é o produto, e este desejo permeia a mente e opera através da memória. Queremos que o desejo seja satisfeito repetidamente e não há fim nisso. Quando o desejo se faz sentir, o seu ardor impera, e a mente cai sob o seu fascínio; ela é escravizada pelo desejo. O desejo é infindável em sua escravização. Ele nos prende ao nosso passado, é repetitivo, fascina o nosso pensamento, impede a consciência de estar totalmente no presente. Não podemos dizer ‘não é isto’ até que nos coloquemos acima disso. O nosso pensamento está em um casamento desigual com o desejo, e isso é chamado de kᾱma-manas. Até que vejamos o seu processo e compreendamos as suas ilusões, não podemos mudar a nós mesmos.”

(N. Sri Ram - O Homem sua Origem e Evolução)

domingo, 5 de novembro de 2017

COMO VER COM CLAREZA


"(...) Quando estudamos a mente pura e a impura, ou a mente clara e a obscura, é como ver o sol encoberto pelas nuvens, que parece não fornecer luz e nem calor. Mas o sol está sempre lá; se as nuvens se dissiparem, ele brilhará novamente. A vasta mente que fornece algum tipo de inteligência a todas as criaturas está em toda parte, mas é obscurecida pelo desejo pessoal, egoísta.
Se todo desejo puder ser posto de lado, você irá, de acordo com certos instrutores espirituais, tornar-se iluminado. De maneira sutil, abra mão de tudo que você se apegou internamente. Você não tem que jogar fora a mobília, mas não se prenda a coisa alguma. Você deve usar as palavras 'eu' e 'meu' sem se sentir possessivo ou apegado.”
(Radha Burnier - Equilíbrio na mente - Revista Sophia)

sábado, 4 de novembro de 2017

JOVENS PARA SEMPRE


"(...) O tirano chamado Tempo mora dentro de nós, alimentado por nossas atividades e desejos por coisas transitórias. Dependendo de nossa condição mental, o tempo passa rápida ou lentamente. As paixões e emoções perturbam as mentes dos mortais, enquanto os deuses, não contaminados pelos pensamentos e desejos mundanos, experienciam a imortalidade e a juventude.
Para sermos jovens e belos, devemos necessariamente nos livrarmos dos impulsos – o ímpeto para chegar a algum lugar, para ser o primeiro, para realizar. Isso nos escraviza ao tempo. O tempo priva a mente de sensibilidade e flexibilidade e a torna propensa às ansiedades do egocentrismo que envelhece o corpo.”

(Radha Burnier - Jovens para sempre - Revista Sophia, nº18)

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

AUTO-OBSERVAÇÃO


"A observação dos próprios pensamentos e reações é uma forma de meditação em que se estuda a verdadeira natureza da mente e seu estado, em que se olha nela profundamente para descobrir-lhe motivos e forças ocultas, alcançando assim a autocompreensão integral. É disso que H. P. B. fala em diferentes termos quando ela se refere ao estudo da natureza inferior à luz da superior. A mente e as emoções precisam ser estudadas com objetividade absoluta, e tratadas como se separadas da pessoa. Isto é muito mais difícil do que retirar um pensamento de um livro ou selecionar alguma virtude e revolvê-la na mente, embora isto também seja bom, especialmente como um começo ou uma base para um esforço maior. É bom concentrar-se e contemplar a verdade mesmo como a conhecemos, enquanto exploramos ou descobrimos as engrenagens da nossa própria mente. O que é errado é compreendido simultaneamente ou em relação àquilo que é certo, da mesma maneira como aquilo que é belo é percebido em relação àquilo que não o é.”

(N. Sri Ram - Em Busca da Sabedoria)

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

O PODER DOS PENSAMENTOS


"O pensamento é uma força que molda a si mesma para se tornar uma entidade ativa. Ele sobrevive por um período mais longo ou mais curto, dependendo da intensidade do pensamento e da paixão que o animam. Se os pensamentos forem repetidos, uma energia renovada é adicionada à forma que havia sido criada. Como resultado, cada pessoa vive em meio a um mundo de entidades-pensamento autocriadas, um pequeno mundo de influências. Assim criamos um karma e nos tornamos responsáveis por muito mais do que nossas vidas pessoais.”

(Radha Burnier - O poder dos pensamentos - Revista Sophia)

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

ASPECTOS DA NOSSA NATUREZA


"Cada aspecto de nossa natureza, tanto o bem quanto o mal, é exigido para a tarefa à nossa frente. Tal como o redirecionamento de energia, todos os elementos dentro de nós devem ser transformados. Tanto os vícios quanto as virtudes, dizem-nos, são ‘passos (que) compõem a escada’ por meio da qual ascendemos ao mais elevado. Como diz o comentário: ‘Toda a natureza do homem deve ser usada sabiamente por aquele que deseja entrar no caminho’”.
(Joy Mills - Buscai o caminho - Revista Theosophia)

terça-feira, 31 de outubro de 2017


CAMINHOS PARA A TRANSFORMAÇÃO



“Cada um de nós tem a possibilidade de se empenhar para dominar as compulsões originadas do funcionamento natural de nossas próprias tendências, tendências essas que são baseadas em nossas experiências, conhecimento e impressões acumuladas ao longo do tempo. Este é o significado do trabalho espiritual: uma luta contra a nossa própria natureza mecânica, na qual os aspectos espirituais da humanidade, assim como as funções involuntárias e naturais do universo ajudam a existência não intencional e natural dos seres humanos."
(Ravi Ravindra - A conquista da Liberdade - Revista Sophia)

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

UMA JUSTIÇA PERFEITA


“O reencarnacionismo sustenta que a aparente injustiça do mundo é consequência da limitação do nosso conhecimento e visão. Se, em vez de apenas uma existência, pudéssemos ver a série completa de encarnações de um indivíduo, com o funcionamento do carma através da cadeia dos tempos, perceberíamos que uma justiça perfeita rege todos os fatos. Assim como o mundo físico é governado pela causa e efeito, a inviolável lei do carma governa o resultado das nossas ações. A morte é apenas uma breve interrupção no funcionamento dessa lei e de seus efeitos, que se estende vida após vida, abarcando toda a existência do indivíduo.”

(John Algeo - Investigando a reencarnação - Revista Sophia, Ano 3, nº 9)

domingo, 29 de outubro de 2017

PROCURE PRIMEIRO O REINO DE DEUS



"Tanto o céu quanto a Terra estão dentro de nós. Quando as pessoas dizem ‘isto é divino’, elas querem dizer que aquilo que experienciam é agradável, que sentem um bem-estar fora do comum. Esta experiência é um estado de consciência, para todas as experiências subjetivas. Quer sejam de felicidade e paz ou de medo e dor, elas estão na consciência. Um campo de flores maravilhoso poderia ser bem descrito como ‘algo divino’, embora esteja mesmo é na Terra. A divinização é a experiência da consciência. E deste modo ‘céu’ é um estado interno de ser, e não um local em outro plano ou região.”

(Radha Burnier - Procure primeiro o reino de Deus - Revista Sophia)

sábado, 28 de outubro de 2017

CARMA



“Carma é uma palavra sânscrita que significa ‘ação’. Designa uma força ativa, significando que o resultado dos acontecimentos futuros pode ser influenciado por nossas ações. Supor que o carma é uma espécie de energia independente que predestina o curso de toda a nossa vida é incorreto.
Quem cria o carma?
Nós mesmos. O que pensamos, dizemos, fazemos, desejamos e omitimos cria o carma. Não podemos, portanto, sacudir os ombros sempre que nos defrontamos com o sofrimento inevitável. Dizer que todo o infortúnio é mero resultado do carma equivale a dizer que somos totalmente impotentes diante da vida. Se isso fosse verdade, não haveria motivo para se ter qualquer esperança.”

(Dalai-Lama, O Caminho da Tranquilidade)

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O PODER DOS PENSAMENTOS



“Helena Petrovna Blavatsky assinala, em A Chave para a Teosofia (Ed. Teosófica), que a verdadeira oração é um mistério, um processo oculto através do qual pensamentos e desejos continuados sofrem uma transformação espiritual. A aspiração ao divino auxilia a refinar a mente e a elevá-la. A devoção pura, juntamente com a autoentrega, vertidas como oferecimento a uma imagem sagrada, harmoniza e purifica, mesmo quando essa imagem é criada pela mente. Poucas pessoas podem contemplar a deidade não manifesta em nosso atual estágio de evolução. As outras precisam começar a purificar e a refinar o conteúdo de suas mentes. A oração, a devoção pura e a meditação sobre o que quer que seja sublime e sagrado ajudam a transformar a consciência individual e, através dela, a consciência maior do mundo." 
(Radha Burnier - O poder dos pensamentos - Revista Sophia)

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

TRANSFORMAÇÃO INTERIOR


"Nós contatamos o mundo através da sensação. Todas as sensações são agradáveis ou dolorosas. Quando a sensação é agradável, a mente agarra-se a esta, nela se prendendo. O desejo é o produto, e este desejo permeia a mente e opera através da memória. Queremos que o desejo seja satisfeito repetidamente e não há fim nisso. Quando o desejo se faz sentir, o seu ardor impera, e a mente cai sob o seu fascínio; ela é escravizada pelo desejo. O desejo é infindável em sua escravização. Ele nos prende ao nosso passado, é repetitivo, fascina o nosso pensamento, impede a consciência de estar totalmente no presente. Não podemos dizer ‘não é isto’ até que nos coloquemos acima disso. O nosso pensamento está em um casamento desigual com o desejo, e isso é chamado de kᾱma-manas. Até que vejamos o seu processo e compreendamos as suas ilusões, não podemos mudar a nós mesmos.”
(N. Sri Ram - O Homem sua Origem e Evolução - Ed. Teosófica)