domingo, 31 de julho de 2016

CURSO: INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TEOSÓFICO


O PODER INTERIOR


“A energia que sentimos no corpo implica na existência de um poder superior àquele necessário para simplesmente movimentar o veículo físico individual. O poder da energia cósmica que sustenta os universos está também vibrando em nossos corpos. A Energia Cósmica é um dos aspectos de Deus. Portanto, somos feitos à Sua imagem, até mesmo do ponto de vista físico.
É por pensarmos que somos feitos de carne e de sangue que às vezes nos sentimos frágeis. Mas se percebermos a consciência Divina em nosso corpo, compreenderemos que a carne nada mais é do que a manifestação física dos cinco elementos vibratórios: terra, água, fogo, ar e éter.”

(Paramahansa Yogananda – Como falar com Deus – p. 20/21)

sábado, 30 de julho de 2016

SER HONESTO E ALTRUÍSTA


“Ser completamente honesto é ser inteiramente verdadeiro, e não podemos atingir isso se formos demasiado emocionais, amarrados a nosso próprio exame e preocupados se somos bons ou maus, inteligentes ou estúpidos, etc. Um dos efeitos do progresso espiritual é a diminuição do remorso e da ansiedade. Ambos indicam carência de energia no momento presente e para trabalho em pauta. Remorso indica escoamento da força da alma em relação a algum acontecimento no passado, e ansiedade significa escoamento em função de algum efeito imaginário no futuro.. (...)

A raiz do remorso, diz-no H.P. B., é o egoísmo, e a raiz da ansiedade é o medo de um desconhecido imaginário.”

(Clara Codd, A Escolas de Mistérios, Ed. Teosófica, pg.149)

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A INDIVIDUALIDADE


“A individualidade pode ser considerada como o centro da alma humana que age como um foco indestrutível, através do qual a mente e a consciência funcionam e as potencialidades nele ocultas gradualmente se vão tornando poderes ativos. A origem e o destino final da Mônada são envoltos em mistério e ocultos à nossa vista, mas, tanto quanto possamos examinar em todos os sentidos, vemos uma Mônada existindo e evoluindo sem cessar para uma altura cada vez maior de conhecimento e poder. Esse Centro Eterno de consciência, em torno do qual a vida da Mônada gira e evoluiu, sempre mudando, sempre progredindo, pode ser chamado sua individualidade. Esse centro é sempre o mesmo e, entretanto, nunca permanece o mesmo.”

(I. K. Taimni, O Homem, Deus e o Universo, Ed. Pensamento, pg. 100)

quinta-feira, 28 de julho de 2016

REVERÊNCIA


"A reverência é um aspecto da emoção do amor, consequentemente, não possui qualquer elemento de medo. Ela surge de um sentimento ou conceito no coração daquele que reverencia quanto à grandeza ou preciosidade de seu objeto. Assemelha o respeito, e, embora possa ser expressa na observância de certas formas que são apropriadas - não artificiais e meramente convencionais -, ela não impede a proximidade em espírito nem a plena comunicação entre o grande e pequeno, comunhão que resulta da realização da pessoa menor com a vida maior. Pelo contrário, ela eleva a pessoa pequena à atmosfera de grandeza, transmutando-a com sua magia."

(N. Sri Ram - O Interesse Humano - Ed. Teosófica, Brasília, 2015 - p. 71)

quarta-feira, 27 de julho de 2016

AMOR


"Amor é uma palavra difícil de entender. O amor jamais acontece enquanto não houver liberdade. Não é possível que um escravo sinta o verdadeiro amor. Se você compra um escravo, prende-o em grilhões e obriga-o a trabalhar, ele trabalhará como um burro de carga, porém sem nenhum amor. Nós mesmos quando agimos no mundo como escravos, não o fazemos com amor, e nossa ação não pode ser considerada correta. Isso é verdade quando servimos nossos parentes e amigos, ou quando agimos para nós mesmos. O trabalho egoísta é trabalho escravo. Você pode fazer uma verificação: todo ato de amor traz felicidade, não há ato de amor que não traga como resultado paz e felicidade. Por isso o verdadeiro amor nunca pode causar sofrimento, nem a quem ama, nem a quem é amado. "

(Swami Vivekananda - O Que é Religião – Ed. Lótus do Saber,Rio de Janeiro - p. 211/212)

terça-feira, 26 de julho de 2016

PALESTRA PÚBLICA - BHAGAVAD GITA


FORÇA DE VONTADE


“Força de vontade significa liberdade. Força de vontade significa o Céu. Se não permitir que as atrações do mundo enfraqueçam sua vontade, alcançará a meta divina. Muitos de vocês, porém, permitiram que a vontade fosse minada por maus hábitos – entregando-se a eles todos os dias – fumando, bebendo, falando com aspereza. Pensam que não podem evitá-los. Mas tempo houve em que não sabiam o que era fumar, embriagar-se ou ficar com raiva. Desistiram de ser livres ao adquirir esses hábitos. Precisam continuar escravos? Como poderão encontrar Deus se não libertarem a força de vontade, eliminando os hábitos mundanos e usando a vontade livre para meditar?”

(Paramahansa Yogananda - A Eterna Busca do Homem – Ed. Self-Realization Fellowship – p. 422)


segunda-feira, 25 de julho de 2016

VIDA E MORTE


"A morte não rompe os laços humanos mais do que cancela obrigações mútuas. É um evento dramático na vida como nascer ou apaixonar-se, como o desabrochar de um botão em flor, ou o nascer e o pôr do sol. A morte não rompe o laço dourado do amor ou o elo férreo do ódio, embora a ligação física possa ser rompida durante certo tempo. Apesar de a morte estar sempre à nossa volta, batendo as asas, por assim dizer, para que não negligenciemos sua existência, ela mantém domínio sobre a vida essencial no homem, o espírito que é imortal porque é divino. A imortalidade é uma ideia que é proeminente na sabedoria religiosa hindu. Não somente os deuses atingiram-na ao participarem do néctar, como é poeticamente colocado; mas é também um feito heroico que pode ser alçado pelo mortais que tenham a coragem intrépida e a perseverança necessária para o propósito.”

(N. Sri Ram, O Interesse Humano, Editora Teosófica, Brasília, 2015 - p. 34/35)

domingo, 24 de julho de 2016

TRANSCENDENDO A VIDA MUNDANA


“Todos estão o tempo todo procurando maneiras de fazer com que o mundo os satisfaça, exigindo que o mundo lhes proporcione prazeres, segurança, satisfação permanente, afeto e reconhecimento. É necessária uma observação atenta e imparcial para perceber que isso faz parte da própria psicologia de uma pessoa. Transcender a vida mundana significa estar internamente livre de exigências, contentar-se com o que vem sem que se peça, seja sofrimento ou alegria. Pedir e ser satisfeito por aquilo que se pede é o modo do mundo. Não pedir nada, nem ao karma, nem a Deus, ou a outra pessoa, e permanecer contente com o que quer que seja, é sinal de uma natureza que não pertence ao mundo.”

(Radha Burnier, Não há Outro Caminho a Seguir, Ed. Teosófica, pg. 18)

sábado, 23 de julho de 2016

VIRTUDE


“Por ser uma questão de compreensão pela própria pessoa, a virtude é algo que, em sua verdadeira qualidade, não pode ser ensinada. Pode-se aprender através da observação ou das palavras de outras pessoas, os caminhos ou formas com que determinada virtude se manifesta. Porém a forma, embora possa sugerir o que significa para uma pessoa intuitiva, não pode criar o espírito ou o sentimento daquilo que é expressão. A virtude não é como conhecimento comum, que pode ser transmitido através de palavras. Encontra-se na mesma categoria que o gosto, um sentimento para com o belo, além de outros dons inatos que não podem ser ensinados. (...)”

(N. Sri Ran, Em Busca da Sabedoria, Ed. Teosófica, pg.48)

sexta-feira, 22 de julho de 2016

A MENTE ABERTA


“Podemos manter a mente aberta, não apenas intelectualmente, mas aberta ao conhecimento intuitivo? Isso é muito mais difícil. Significa que devemos ser pacientes, observar e estudar os processos da vida, não apenas os livros, mas ver realmente os movimentos da vida e tentar compreender o que eles são. Se a mente não estiver aberta, posso acreditar não ser egoísta quando sou; ou, em determinada situação, se meu ego pular à frente, não me dou conta porque na verdade não estou atento. Não estou vigiando objetiva e imparcialmente minhas atitudes.”

(Radha Burnier, O maior obstáculo na senda, Revista TheoShphia, jan/fev/março 2011, pg.19)

quinta-feira, 21 de julho de 2016

RESPONSABILIDADE


“A responsabilidade é um dos conceitos mais característicos de nossa linguagem e de nosso universo moral. É muito difícil defini-la e ainda mais difícil viver sem ela. Não há necessidade lógica ou mesmo natural de assumir responsabilidades. Entretanto, consideramo-nos sub-humanos quando não o fazemos. A responsabilidade é uma daquelas forças humanas invisíveis, como a força de vontade, das quais não há necessidade lógica ou natural, mas sem as quais a história humana torna-se inconcebível.”

(Henryk Skolimowski, O Teatro da Mente, Ed. Teosófica, pg.155)

quarta-feira, 20 de julho de 2016

VERDADE OU IMAGEM DA VERDADE?


“A verdadeira forma de ocultismo não é algo exótico, revestido de fantasias, como muitas pessoas imaginam que seja. Desde os tempo mais remotos tem sido uma ciência que se ocupa com os fatos ou com a verdade. A imaginação é uma coisa, e os fatos são algo diferente. Mas esta ciência específica também se ocupa com a vida e a consciência, e é somente quando a vida da pessoa está baseada na verdade que ela adquire o aspecto de sabedoria. A sabedoria não pode ser separada da vida; quando ela encontra o seu caminho na vida, esta começa a mostrar uma nova qualidade, um novo brilho e beleza diferentes daquilo que comumente se obtém.” 


(N. Sri Ram, Em Busca da Sabedoria, Ed. Teosófica, pg. 22)

terça-feira, 19 de julho de 2016

INÍCIO DA SENDA ESPIRITUAL


“Qual é a causa do ódio e da ambição? Por que a solidão existe? Qual é o sentido da vida? Estas e muitas outras perguntas surgem a partir da observação que aquele que questiona faz de sua própria vida; nem o questionamento nem a busca devem se basear em considerações superficiais ou nas visões de outras pessoas. A clareza, que é a luz do discernimento, surge quando a pessoa se dá ao trabalho de estudar a vida profundamente por si mesma. Isso marca o início da senda espiritual.”

(Radha Burnier, Não há Outro Caminho a Seguir, Ed. Teosófica, pg. 14)

segunda-feira, 18 de julho de 2016

PENSAMENTO, O CONSTRUTOR


O pensamento trabalha sobre a matéria. Cada mudança de conscientização é recompensada com uma vibração de matéria, e uma mudança semelhante, embora frequentemente repetida, traz vibração idêntica. Essa vibração é mais forte na matéria que está mais próxima de nós, e a matéria que está mais próxima de nós é a do nosso corpo mental. Se você repetir um pensamento, ele repete a vibração correspondente e, assim, quando a matéria tiver vibrado de uma forma particular uma vez, é mais fácil para ela vibrar de novo do mesmo modo do que uma forma nova; e quanto mais você repetir esse pensamento, com maior presteza terá a resposta vibratória.”

(Annie Besant, Os Mistérios do Karma e a sua Superação, Ed. Pensamento, pg. 59)

domingo, 17 de julho de 2016

CRIATIVIDADE NA ADVERSIDADE


O que permite que algumas pessoas desenterrem tesouros na adversidade, enquanto outras mergulham no desespero ou na resignação? Aqueles que enfrentam catástrofes de cabeça erguida e que crescem a partir dessas experiências são pessoas criativas (...) 
As adversidades na doença, no trabalho, nos relacionamentos, nas finanças liberam a criatividade, pois nos forçam a forjar uma nova identidade, ao descobrir que a velha não mais funciona.”

(Barbara M. Lee Brewster, Criatividade na adversidade, Revista Sophia Nº 60, pg. 5)

sábado, 16 de julho de 2016

A ÁRVORE SEFIROTAL


A cabala tem sido descrita de várias maneiras como uma tradição não escrita ou oral, como a doutrina esotérica da religião judaica e como a sabedoria oculta ou teosofia dos Rabis Hebreus da Idade Média, que a obtiveram das mais antigas doutrinas secretas concernentes a verdades divinas e à cosmogonia.
A palavra hebraica Kabbalah deriva da raiz GBL, ‘receber’. O seu significado inclui a prática de transmitir os conhecimentos esotéricos pela palavra falada. Ao ser examinada, a Cabala prova ser um sistema de teosofia que proclama ser de origem celestial e ter chegado aos primitivos patriarcas hebreus através do ministério dos anjos. O rei Davi e o rei Salomão diz-se terem sido iniciados na Cabala, e o Rabi Simeon Ben Jochai ousadamente deu os passos no sentido de escrever parte dos ensinamentos na época da destruição do segundo Templo. Seu filho, Rabi Eleazar, seu secretário e seus discípulos reuniram os seus tratados e deles compuseram o Zohar, que significa ‘Esplendor’ e é a fonte literária do Cabalismo.”

(Geoffrey Hodson, O Reino dos Deuses, Ed. Pensamento, pg. 114)

sexta-feira, 15 de julho de 2016

A EVOLUÇÃO DO HOMEM


“Quando compreendemos que o homem é tríplice em sua manifestação, sendo um produto do Espírito e da matéria - os céus do Espírito e os mares da matéria - permeando daquelas gradações psíquicas ou da consciência que ocupa os espaços intermediários, podemos compreender que sua evolução deve ser correspondentemente tríplice. Cada um de nós têm três seres distintos - um físico, um psíquico e um espiritual. Ascendemos de um para outro no curso de nosso progresso humano.”

(N. Sri Ram, O Homem sua Origem e Evolução, Ed. Teosófica, pg. 47)

quinta-feira, 14 de julho de 2016

AUTORREALIZAÇÃO


“A Mônada, sendo uma expressão da Realidade Última, é livre no âmago de sua natureza, mas, ao se envolver na manifestação, sua liberdade se torna restrita. Quanto mais baixo o nível a que a Mônada desce mais restrita fica. Esse processo de restrição progressiva é invertido gradualmente com a evolução da consciência, ganhando outra vez a liberdade que lhe é inerente quando torna a adquirir o completo conhecimento da Realidade na qual está centralizada. É a reaquisição deste conhecimento através de Pratyabhijñā ou reconhecimento de sua natureza real que constitui o objetivo da autorrealização e leva à absoluta liberdade subentendida na libertação jivanmukti.”

(I. K. taimni, O Segredo da Autorrealização, Ed. Teosófica, pg.21)

quarta-feira, 13 de julho de 2016

EXPERIÊNCIAS


“Este mundo não é o mesmo para todas as pessoas. Cada uma vive em seu próprio dominiozinho. (...) A paz e a harmonia podem reinar no mundo de uma pessoa, e o conflito e a guerra no de outro. Mas quaisquer que sejam as circunstâncias do ambiente de alguém, ele consiste tanto de um mundo interior quanto de um mundo exterior. O mundo exterior é aquele em que a vida se empenha na ação e na interação. O seu mundo interior é que determina sua felicidade ou infelicidade.

(Paramahansa Yogananda – Paz Interior - Ed. Self-Realization Fellowship – p. 15/16)

terça-feira, 12 de julho de 2016

COMPAIXÃO


“A compaixão nos impulsiona a fazer um esforço e nos comunicar com todos os seres vivos, incluindo os assim chamados inimigos, aquelas pessoas que nos aborrecem e que nos magoam. Independentemente do que elas lhe façam, se você se lembrar que todos os seres, tal como você, estão apenas tentando ser felizes, você verá que é muito mais fácil desenvolver a compaixão com relação a elas. Geralmente o nosso senso de compaixão é limitado e tendencioso. Estendemos tais sentimentos somente àqueles de nossa família e amigos, ou aqueles que nos são úteis. As pessoas que percebemos como inimigas e outras a quem somos indiferentes são excluídas de nossa preocupação. Isso não é compaixão genuína. A verdadeeira compaixão é universal em escopo. É acompanhada do sentimento de responsabilidade. Agir de modo altruísta, preocupado apenas com o bem-estar dos outros, sem quaisquer motivos ulteriores, é afirmar um senso de responsabilidade universal.”

(Dalai Lama, Compaixão: a verdadeira expressão da não-violência, Revista TheoSophia, 1º trimestre 2011, pg.22)

segunda-feira, 11 de julho de 2016

SABEDORIA



“Ser sábio é viver numa harmonia interior que finalmente supera todas as discórdias exteriores.
Nós não necessitamos da erudição da mente, a qual temos bastante, mas Sabedoria da Alma, a habilidade de discernir a verdade por trás de toda a máscara de autoengano e falsidade. Pode-se carregar uma vasta carga de erudição e contudo ser-se um tolo, da mesma forma, é possível com um pouco de conhecimento ser-se grandemente sábio.”

(N. Sri Ram, Pensamentos, Ed. Teosófica, pg. 37)

domingo, 10 de julho de 2016

DEMOCRACIA TERRESTRE


“As alternativas à guerra, à não-sustentabilidade e à injustiça social e econômica estão se tornando um imperativo de sobrevivência. Essas alternativas precisam combinar a paz que temos que fazer com o planeta, com a paz que temos que fazer entre os povos transgressores de diversas culturas. Uma não é possível sem a outra. As raízes do terrorismo, da violência e da guerra jazem na exclusão ambiental e econômica e na insegurança que isso gera. A segurança das pessoas não reside em orçamentos militares maiores, em bombas mais poderosas e em estados policiais mais fortes. Ela jaz na segurança ecológica, na segurança econômica, na segurança cultural e política. Reconstruir essas múltiplas seguranças é a única maneira de criar paz, justiça e sustentabilidade.”

(Vandana Shiva, Democracia Terrestre, Theosophia, jan/fev/março 2011, pg.41)

sábado, 9 de julho de 2016

SABEDORIA DIVINA


“Diz H. P. B. que a semente dessa sabedoria divina foi implantada nas almas nascentes dos homens pelos Dhyan Choans no alvorecer da evolução, ela cita as palavras do velho mestre Aryasangha: ‘Aquilo que não é nem Espírito nem Matéria, nem Luz nem Trevas, mas é verdadeiramente o receptáculo e raiz de tudo isso… tu és isso… a Luz-Vida se derrama para baixo pela escadaria dos sete mundos, escadas cujos degraus vão se tornando cada vez mais densos e cada vez mais escuros. É dessa série sete-vezes-sete que és o fiel escalador e espelho, ó homem pequeno! És isto, mas não sabes.’”

(Clara Codd, A Técnica da Vida Espiritual, Ed. Teosófica, pg. 74)

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Palestra: Kaosmos - Paradigma da Complexidade e Astrologia


ESTÁGIOS NA SENDA


“É importante compreender, não como um mero conceito, mas como um fato, que a Senda é a própria pessoa. Em A Voz do Silêncio afirma-se que a pessoa não pode trilhar a Senda a menos que se torne ela mesma a Senda. A Senda é a mudança de qualidade que ocorre na consciência da pessoa e nos veículos pelos quais a consciência funciona.”

(Radha Burnier, Não há Outro Caminho a Seguir, Ed. Teosófica, pg. 23)

quinta-feira, 7 de julho de 2016

CURSO: INTRODUÇÃO À RADIESTESIA


AS FASES DA VIDA


“A vida está repleta de dificuldades e de problemas, porém em meio a eles e às contradições que se apresentam, tarefas e responsabilidades, deve ser possível ter uma condição interior que manifeste a beleza de um Espírito que, à semelhança do sol quando nasce, atravessa os céus e se põe, lançando os seus raios em ângulos diferentes, porém soando em cada fase da jornada a sua melodia apropriada.”

(N. Sri Ram, Em Busca da Sabedoria, Ed. Teosófica, pg. 92)

quarta-feira, 6 de julho de 2016

A OUTRA MARGEM


“Gozava com o ritmo úmido dos remos a mergulhar, com as escamas de luz que a lua beliscava na água, com o sopro fresco e quase imaterial de aragem da noite, com o negro e infinito céu estrelado, com a solidão sedante.
Mas, nem por um instante, nem por um suspiro, desejou prolongar aquele embevecimento.
Ele sabia o que queria. Tinha um destino. Queria a outra margem.
Nela, para sempre sumiria, total e eternamente.”

(Hermógenes – Mergulho na paz)

terça-feira, 5 de julho de 2016

REFLEXÕES SOBRE A VIDA INTERIOR


“Na maior parte das tradições ocultas, a vida interior é ilustrada pelas aventuras de um herói, que deve explorar um lugar secreto, geralmente profundo e fechado, guardado por um dragão ou um guardião do umbral, lugar que pode ser um labirinto, uma gruta ou uma floresta mágica; nesse lugar pode ser encontrado um tesouro ou uma maravilhosa princesa, ou um sábio todo poderoso que o herói deve descobrir. Todas essas alegorias, todos esses símbolos têm o mesmo significado. O herói somos nós mesmos, é o homem que deve enfrentar sozinho provas e perigos sem número para encontrar a verdadeira riqueza, a beleza e o conhecimento.”

(André Cassistre, Reflexões sobre a vida interior, O Teosofista, pg. 16)

segunda-feira, 4 de julho de 2016

PALESTRA PÚBLICA - O GOVERNO INTERNO DO MUNDO


PERCEPÇÃO




“Em cada um de nós existe uma semente da divindade, mas o homem que pensa que tal semente já brotou e floresceu em si mais do que nos outros está iludido. Sua própria sensação de superioridade demonstra que a semente ainda não brotou. Existe um ditado que diz que o mais sábio também é o mais humilde. O homem que imagina que sabe mais, não sabe; aquele que se acha superior não é superior. Mas aqueles que conseguem ver o elemento divino, o potencial a ser desenvolvido nos outros, é um verdadeiro teósofo.”

(Radha Burnier, Não há outro Caminho a Seguir, Editora Teosófica, pg. 61)

domingo, 3 de julho de 2016

TEOSOFIA


“Através das idades, homens e mulheres, procurando resolver os mistérios da vida, submeteram-se ao treinamento necessário para despertar, da latência para a atividade, esses poderes adormecidos de que todo ser humano é dotado. Gerações de videntes, tendo despertado esta faculdade em atividade controlada, efetuaram pesquisas nos aspectos normalmente invisíveis da Natureza e do homem. Os frutos de suas investigações estão todos preservados e foram continuamente ampliados, conferidos e reconferidos. Como resultado, está ao alcance do estudante de hoje um enorme tesouro de conhecimentos em todos os assuntos para os quais a mente do homem pode voltar-se.
Os gregos chamaram esta sabedoria das idades de Theosophia, Sabedoria Divina, e o homem de hoje possui um fragmento dela, sob a denominação moderna de Teosofia.”

(Geoffrey Hodson, Através do Portal da Morte, Editora Teosófica, pg.18)

sábado, 2 de julho de 2016

O APEGO


“Todas as nuvens se originam na terra; as nuvens em nosso céu mental nascem do apego à sensação, sob diferentes formas. O apego a qualquer tipo de sensação, física ou emocional, traz consigo a tensão. Pode haver algum grau de febre no organismo da pessoa, e ela pode não perceber esse fato, quando está acostumada a ele. Quando há apego a algo que traga prazer, existe o ímpeto de agarrar a coisa e retê-la. Todo apego é uma sensação de prazer; a coisa ou a pessoa a ele ligada é simplesmente o meio pelo qual essa sensação é obtida e substituída conforme as exigências. 
Não se pode verdadeiramente encontrar a paz, a paz que vai às raízes do ser, sem que a pessoa tenha eliminado de sua natureza toda tensão febril, todo desejo por um ou outro tipo de satisfação, seja se agarrando às coisas adquiridas ou construindo cada vez mais aquilo que traz a sensação de prazer.”

(N. Sri Ram, O crescimento espiritual, Revista Sophia, Nº 60, pg. 17)

sexta-feira, 1 de julho de 2016

PALESTRA PÚBLICA: SÁBADOS COM OTÁVIO MARCHESINI


A VIDA ESPIRITUAL


“Cada pessoa que se interessa pela vida espiritual deve descobrir se a palavra espiritual corresponde a alguma coisa em seu íntimo, ou se é meramente uma palavra usada pelos outros e, portanto, até onde lhe diz respeito, é um mero conceito, uma noção teórica sem base alguma em conhecimento pessoal. Por outro lado, cada um de nós pode afirmar que a palavra ‘amor’ tem uma base em conhecimento pessoal, pois todos experimentamos o amor de uma ou de outra forma. Nossa experiência pode ser limitada, diluída, intermitente, mas não importa como seja, serve para nos dar uma ideia de um amor diferente, maior.
Para muitos de nós a palavra ‘espiritual’ é como a palavra ‘Deus’ - uma palavra que pode encobrir muitas contradições e ilusões; uma palavra que podemos interpretar de acordo com os nossos desejos e inclinações secretos.”


(Radha Burnier, Não há Outro Caminho a Seguir, Ed. Teosófica, pg.10)