terça-feira, 31 de maio de 2016

SABEDORIA DIVINA


“Um profundo senso de unidade permeia a vida que está imersa no sagrado, em vez de refém do mundano. Talvez sejamos todos reféns do mundano, em um grau maior ou menor. Todos nós vivemos neste mundo; todos precisamos de certas coisas para poder atuar. Mas desistir do pessoal para dedicar a vida ao sagrado não requer necessariamente desistir de todas as posses. Na verdade, esse é um estado mental marcado pela reverência e pelo discernimento, que considera o sagrado como tendo suprema importância. É a sabedoria divina, não a sabedoria mundana. (...) Ela é capaz de atuar no mundo de maneira prática.”

(Linda Oliveira, Do mundano ao sagrado, Revista Sophia, nº 61, pg. 39)

segunda-feira, 30 de maio de 2016

SILENCIAR A MENTE



"D: Como levar a mente ao silêncio?

M: Pelo desapaixonamento e pelo abandono de tudo que nos é caro, pode-se, por esforço próprio, realizar facilmente essa tarefa. Sem essa paz mental, a Libertação é impossível. Apenas quando todo o mundo objetivo é extinto pela mente desiludida, em consequência do conhecimento que discerne que tudo que não é Brahman é objetivo e irreal, é que resultará a Suprema Beatitude. Do contrário, se não há paz mental, por mais que um homem ignorante se esforce e se arraste pelo abismo profundo dos textos espirituais (shãstras), não conseguirá obter a Libertação. “

(Advaita Bodha Deepika - A Luz da Sabedoria Não Dualista - Ed. Teosófica, Brasília, 2012 - p. 67/69)

domingo, 29 de maio de 2016

PERDÃO


"Na minha infância, minha mãe costumava colocar curativos nos meus machucados e retirava-os religiosamente dois dias depois. Nunca compreendi por que ela fazia isso, já que as feridas não estavam completamente curadas. Quando perguntei sobre o assunto, ela respondeu: 
- É preciso expor a ferida ao ar para que ela feche mais rápido. 
O mesmo acontece com nossas feridas emocionais, que precisam de um pouco de exposição para começar o processo de cura.
Quando alguém diz ou faz algo que nos magoa, tendemos a nos apegar à ferida e a guardar ressentimentos em relação àquela pessoa. Do ponto de vista da energia psíquica, isto é um erro. Carregar uma ferida emocional estimula e alimenta emoções e pensamentos negativos relacionados com essa ferida, e a dor contagia nosso espaço. Como já disse várias vezes, semelhante atrai semelhante. Portanto, atrairemos elementos igualmente negativos. Quanto antes nos permitirmos vivenciar os sentimentos de raiva e frustração, mais cedo poderemos nos despegar da dor. E com esse desapego vem o verdadeiro passo na direção da cura: o perdão."

(James Van Praagh - Em busca da Espiritualidade - Ed. Sextante, Rio de Janeiro, 2008 - p. 64)

sábado, 28 de maio de 2016

FELICIDADE


"Muitas vezes a chamada 'felicidade' não passa de sofrimento disfarçado. Você talvez goste de comer muito, mas a consequência poderá ser uma indigestão aguda ou uma dor de estômago. A melhor maneira de assegurar a felicidade não é permitir que prazeres sensuais ou maus hábitos o controlem, mas refrear com firmeza uns e outros. Assim como não poderia matar a sua própria fome dando de comer a outra pessoa, não encontrará a felicidade satisfazendo às exigências constantes dos sentidos.”

(Paramhansa Yogananda - A Sabedoria de Yogananda, Como ser feliz o tempo todo - Ed. Pensamento, São Paulo, 2012 - p. 63)

sexta-feira, 27 de maio de 2016

AUTO-OBSERVAÇÃO


“A auto-observação imparcial pode começar com qualquer coisa: os próprios gestos, a postura, o tom de voz, o comportamento com relação às crianças, a um animal de estimação, a uma planta. Qualquer coisa, porque cada um de nós é como um holograma; qualquer detalhe de nós mostra toda a nossa história, nossas aspirações e nosso futuro. O que se exige é a imparcialidade, porque, de outra forma, a pessoa estaria sempre certa aos seus próprios olhos.”

(Ravi Ravindra, Uma Vida Espiritual, Revista Sophia, Nº 61)

quinta-feira, 26 de maio de 2016

HÁBITOS DESTRUTIVOS


"(...) Como podemos produzir tranquilidade e harmonia interior, as únicas coisas capazes de assegurar a ação benéfica? Tranquilidade e ação podem parecer contradição, mas não são. A 'inação na ação e a ação na inação' de que fala o Bhagavad Gita é a ação oriunda de uma mente profunda e clara. Tudo o mais é atividade inquieta e infrutífera. É vital para o mundo que os indivíduos aprendam a agir a partir de um estado interior tranquilo e calmo, não de uma mente em luta. A não ser que nos aprofundemos nisso e não nos permitamos ser empurrados pela corrente do mundanismo, a dor não cessará.”

(Radha Burnier - Estar no mundo e viver em paz - Revista Sophia, Ano 11, nº 41 - p. 30/31)

quarta-feira, 25 de maio de 2016

A VERDADE E A EVOLUÇÃO


"Nós não podemos pensar em qualquer vício como uma parte do Ego em sua própria e verdadeira morada no plano mental superior. Um vício em uma personalidade aqui abaixo é ausência da virtude, que não tem contudo sido construída no Ego. (...) Não obstante, em princípio, todas as virtudes existem em cada Ego, mas elas existem adormecidas e não como realidades. Lendo as várias séries de 'Vidas', parece, certamente, que uma virtude é muito lentamente construída no Ego. Talvez no caso de Egos que cresceram muito em intuição, bastarão duas ou três experiências, mas com aqueles que não são assim dotados parece que são necessárias dúzias da mesma experiência para ensinar uma lição.”

(C.W. Leadbeater - As Vidas de Órion - Oriom Editora, São Paulo, 2002 - p. 18/19)

terça-feira, 24 de maio de 2016

CULINÁRIA VITALIZANTE


CURSO AVANÇADO DE NUMEROLOGIA CÁRMICA


ENTESANDO E DESENTESANDO O ARCO


"É célebre, na filosofia oriental, a comparação do processo de iniciação espiritual com a atividade dupla do sagitário: entesar e desentesar o arco.
O arqueiro puxa a seta em direção a seu corpo, entesando ao máximo o arco flexível, simboliza o homem que pensa intensamente, pela força consciente do ego intelectual; quanto mais intensa for esta atividade mental do homem-ego, tanto mais longe pode, depois, voar a seta do homem-Eu.
Mas seria erro pensar que essa força do sagitário produzisse o poder volante da flecha; esse poder é produzido pela força inerente ao próprio arco retesado, está na flexibilidade e na lei física do centrifugismo, que obriga a seta a voar na direção oposta à força muscular exercida pelo seteiro.
Temos, pois, duas forças em ação: uma, humana, muscular - outra, cósmica, universal. Para que a segunda força possa atuar devidamente, deve preceder a primeira, não como causa, mas como condição. Não é a força muscular do homem - o entesamento - que lança o projétil rumo ao seu alvo - mas é a força cósmica do arco - o desentesamento - que leva a flecha a seu destino.(...)
O homem ocidental é propenso ao entesamento máximo do arco, e, não raro, se contenta com esse egocentrismo. O homem oriental, não raro, acha supérfluo o entesar o seu arco, cultivar as coisas do ego, esperando que Brahman se encarregue de fazer voar o projétil. (...)"

(Huberto Rohden - A Essência do Otimismo - Ed. Martin Claret, São Paulo, 2002 - p. 110/112)

segunda-feira, 23 de maio de 2016

ACEITAÇÃO E ENTREGA





" Quando você aceita totalmente o momento presente, quando deixa de discutir com o que é, a compulsão de pensar diminui e é substituída por uma calma atenta. Você fica plenamente consciente, mas sua mente não dá qualquer rótulo para esse momento. Quando você deixa de resistir internamente, abre-se para a consciência livre de condicionamentos, que é infinitamente maior do que a mente humana. Essa vasta inteligência pode então se expressar através de você e ajudá-lo tanto por dentro quanto por fora. É por isso que, ao parar de resistir internamente, você costuma achar que as coisas melhoraram.
A entrega consiste em entregar-se a esse momento, e não a uma história através da qual você interpreta esse momento e depois tenta se conformar com ela.
(...) Pode-se dizer que a entrega é a transição interior da resistência para a aceitação, do 'não' para o ' sim'. Quando você se entrega, a noção que tem de si mesmo muda. O 'eu' deixa de se identificar com uma reação ou um julgamento mental e passa a ser um espaço em torno da reação ou do julgamento. O 'eu' não se identifica mais com a forma - o pensamento ou a emoção - e você se reconhece como algo sem forma: o espaço da consciência.
Qualquer coisa que você aceite plenamente vai levá-lo à paz, o que inclui a aceitação daquilo que você não consegue aceitar, daquilo a que você está resistindo. Deixe que a Vida seja." 

(Eckhart Tolle - O Poder do Silêncio - Ed. Sextante, Rio de Janeiro, 2005 - p. 48/49)

domingo, 22 de maio de 2016

O ENRIQUECIMENTO INTERNO E A PROSPERIDADE EXTERNA



"(...) Desde que o homem especule mercenariamente para receber qualquer benefício externo pelo fato de ser bom, já está num trilho falso, porque degrada as coisas espirituais a escrava das coisas materiais - e não pode ser feliz. O espiritual deve ser buscado incondicionalmente, sem segundas intenções - e Deus se encarregará do resto.
É imensamente difícil, para o homem profano, ser integralmente honesto consigo mesmo, não camuflar intenções, não criar cortinas de fumaça para se iludir egoisticamente sobre os verdadeiros motivos dos seus atos. Um homem que, digamos, durante dez ou vinte anos, praticou vida espiritual, mas não conseguiu prosperidade material, e se queixa desse 'fracasso' descrendo da justiça das leis eternas que regem o universo e a vida humana, esse homem não é realmente espiritual, nutre um secreto espírito mercenário, esperando receber algo material por sua espiritualidade; não busca sinceramente o reino de Deus e sua justiça, e por isto mesmo, não lhe serão dadas de acréscimo as outras coisas.”

(Huberto Rohden - O Caminho da Felicidade - Alvorada Editora e Livraria Ltda., São Paulo, 7ª edição - p. 35/36)

sábado, 21 de maio de 2016

O ÓDIO E AS VIRTUDES


O ódio é uma emoção que isola dos outros aquele que odeia. Portanto, é contrário à unidade da vida. Restabelecer essa unidade com plena consciência é o propósito de nossas vidas. Quando um grupo étnico, um grupo religioso ou um país se considera superior a outro grupo, estabelece uma muralha psíquica que o isola da unidade da vida. Essa é uma força contrária à evolução.”

(Richard W. Brooks, O Ódio e as Virtudes, Revista Sophia, Nº 61, pg 20)

sexta-feira, 20 de maio de 2016

O AMOR CONQUISTA TODAS AS COISAS


"No mundo em geral, existem muitas dificuldades a serem vencidas, criadas pelas forças das trevas ou resistência e as forças de luz ou progresso, entre as quais os destinos da humanidade sempre oscilam para trás e para diante. 
Pelo fato de ser lei, somente o amor é que consegue conquistar as forças das trevas.
Podemos perceber a lei por nós mesmos, pois o homem é uma partícula na qual a onda de vida universal está centrada ou expressa.
Em nós, também, existem luz e trevas: as forças que contribuem para a unidade, para a criatividade na beleza, e para a oniabarcante felicidade, surgindo por si mesmas e irrestringíveis; também os seus opostos. 
Mas, em longo prazo, a unidade prevalece, a separatividade é destruída. Toda força enviada de nós retorna à sua origem com um ricochete infalível. Assim, aquilo que pode ser destruído pela força é destruído; mas o assassino é sempre a própria pessoa.
O amor é a única força conhecida do homem impossível de ser derrotada por qualquer ameaça, por mais terrível, ou por qualquer provação a que possa ser submetida. Em sua pureza, ele inspira ao sacrifício voluntário, convertendo-o em alegria."

(N. Sri Ram - O Interesse Humano - Ed. Teosófica, Brasília, 2015 - p. 78/79)

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Palestra: Bhagavad Gita - capítulos I e II


OS BENEFÍCIOS DE SE LIBERTAR DA IGNORÂNCIA



"72 - Então o sábio estudante (deve se devotar) diariamente, sem interrupções, ao estudo das Escrituras, à reflexão e meditação nas verdades ali contidas. E, assim, tendo se libertado da ignorância, o homem sábio goza a bem-aventurança do Nirvana mesmo estando ainda na Terra.

COMENTÁRIO - O estabelecimento de uma prática diária, de um ritmo, é fundamental. A maioria de nós vive de uma forma desordenada, sujeita a uma série de embates. Essa agitação predispõe à superficialidade. Estudar profundamente, refletir e meditar significam perda de tempo, algo inútil que deve ser posto de lado num contexto social onde só é valorizada a acumulação de riquezas materiais. 
Entretanto, neste versículo, Sankara lembra-nos de que só adotando o estudo, a reflexão e a meditação podemos nos libertar da ignorância e sentir a bem-aventurança." 

(Viveka-Chudamani - A Joia Suprema da Sabedoria - Comentário de Murillo N. de Azevedo - Ed. Teosófica, 2011 - p. 38/39)

quarta-feira, 18 de maio de 2016

O SERVIÇO É A TÔNICA DA AMIZADE


“Cultive a verdadeira amizade, pois só assim você atrairá amigos verdadeiros. A verdadeira amizade consiste nos préstimos mútuos, no auxílio aos amigos em situação difícil, na simpatia pelo sofrimento, no conselho em pleno infortúnio, no socorro financeiro em ocasiões de real necessidade. O amigo se rejubila com a boa sorte dos amigos e ampara-os na desgraça. Esquece prontamente os prazeres egoístas e o interesse próprio em favor da felicidade dos amigos, sem consciência de perda ou sacrifício e sem avaliar custos. “

(Paramhansa Yogananda - A Sabedoria de Yogananda, A Espiritualidade nos Relacionamentos - Ed. Pensamento, São Paulo, 2011 - p. 35) 

terça-feira, 17 de maio de 2016

A EXPERIÊNCIA DE DEUS


"(...) Sadhu Vaswani não apenas sentia 'compaixão' pelos pobres; ele verdadeiramente sofria as dores deles como se fossem suas dores. Frequentemente chorava ao ver uma pessoa em aflição. 'Não existe morte', ele nos ensinou certa manhã: 'a morte é uma ilusão, e devemos aprender a transcendê-la'. Mais tarde, nesse mesmo dia, ele foi chamado a permanecer ao lado de uma mãe idosa que havia perdido seu único filho num acidente aéreo. Ela chorava amargamente, e os olhos dele marejavam. Posteriormente nós o questionamos: 'Esta manhã você nos ensinou que a morte é uma ilusão. Qual, então foi a razão das suas lágrimas?' E ele respondeu: 'Quando estava sentado ao lado da velha mãe, senti que eu era ela.' Terá sido também esta a razão pela qual Jesus chorou quando sentou ao lado da irmã de Lázaro?" 

(J.P. Vaswani - A experiência de Deus - Revista Sophia, Ano 13, nª 56 - Ed. Teosófica - p. 43)

segunda-feira, 16 de maio de 2016

CONSCIÊNCIA ÉTICA E INTERESSE PESSOAL


“ Se acreditarmos que a vida perpétua e individual é governada por uma lei precisa de causa e efeito, estaremos tranquilos diante das dificuldades porque saberemos que foram criadas por nós mesmos, e teremos a esperança de um futuro em que haverá menos sementes más para germinar. A consciência e o caráter estão sendo continuamente mudados pelos fatos da experiência. Cada evento que acontece a nós acrescenta algo ao conhecimento que governa as nossas ações futuras. E cada experiência vivida, seja boa ou má, mudou o nosso caráter. É evidente, portanto, que a natureza está tentando nos ensinar algo, que na medida em que o nosso caráter está sendo constantemente mudado pela experiência, deve haver em algum lugar na grande mente da natureza uma destinação, um plano, uma intenção: toda evolução tem uma destinação e avança na direção da sua meta através de um processo de reincorporação ou reencarnação que é governado pela lei ética da causa e do efeito: o que um homem planta, isso ele colherá.”

(John Garrigues, WWW..HELENA BLAVATSKY. NET)

domingo, 15 de maio de 2016

O VÉU DO TEMPO


Cada um de nós é, na verdade, um orbe espiritual de luz e beleza. Mas quando tentamos olhar para nossa própria natureza espiritual sentimos apenas uma imprecisão distante, comparável a uma nebulosa. Existem milhões de pessoas que não conseguem sentir nem mesmo isso. Pois sua natureza está tão desorganizada e envolta em densidade que a luz não consegue penetrar a partir de um objeto tão sagrado. Mas, aqui e ali, há alguém que consegue sentir que existe uma natureza espiritual em si próprio e em cada homem e mulher, um Eu espiritual esperando para ser realizado.”

(N. Sri Ram - O Interesse Humano - Ed. Teosófica, Brasília, 2015 - p. 96/97)

sábado, 14 de maio de 2016

GROSSERIA


"Palavras grosseiras são assassinos impiedosos das amizades antigas e da harmonia dos lares. Tire-as de seus lábios para sempre e deixe sua vida familiar livre de tribulações. Palavras doces e sinceras são néctar para almas sedentas. (...)
Para ser gentil, não é necessário concordar com tudo; mas, se não concordar, permaneça calmo e cortês. É fraqueza humana ceder à cólera e à irritação; é força divina conseguir refrear os cavalos selvagens do temperamento e da fala. Não importa qual seja a provocação, contenha-se e, apelando para a calma do silêncio ou para a gentileza autêntica das palavras, mostre que seu cavalheirismo é mais forte que o destempero do agressor. Frente à luz suave de seu perdão, todo o ódio reunido de seus inimigos se dissolverá."

(Paramhansa Yogananda - A Sabedoria de Yogananda, A Espiritualidade nos Realacionamentos - Ed. Pensamento, São Paulo, 2011 - p. 27)

sexta-feira, 13 de maio de 2016


AUTO-OBSERVAÇÃO



“A auto-observação, ou autoestudo, é importantíssima: é nosso maior, mais valioso campo de estudo-experiência. Quando se inicia algum exercício de meditação é que vemos o quanto é indisciplinada a mente, que pula de galho em galho como um macaco. Quando observamos a emoção é que notamos como somos instáveis. Quantas decepções teremos, ao ver que não controlamos nem nossa própria mente, corpo ou emoção!”

(Osvaldo Rodrigues Condé Filho, Introdução ao Esotérico, Thot Editora, pg. 72)

quinta-feira, 12 de maio de 2016

O ESQUEMA DIVINO


“Talvez nenhum dos nossos postulados apresente mais dificuldade à mente mediana que o primeiro corolário para essa primeira grande verdade. Olhando ao nosso redor, na vida do dia-a-dia, vemos tanto de tempestade e de estresse, de mágoa e de sofrimento, que o mal parece ter triunfado sobre o bem; é quase impossível supor que toda essa aparente confusão é, na realidade, parte de um progresso ordenado. Todavia, essa é a verdade, e pode ser vista como tal logo que escapemos da nuvem de poeira levantada pela contenda desse mundo exterior, e olhemos para tudo isso a partir da posição vantajosa do conhecimento mais completo e da paz interior.”

(C. W. Leadbeater, Introdução à Teosofia, Ed. Teosófica, pg. 27)

quarta-feira, 11 de maio de 2016

SILÊNCIO


“Ter medo do silêncio é sinal de fraqueza mental, e o calmo silêncio é melhor do que a fala insensata. No silêncio, as emoções crescem e se fortalecem enquanto permanecem controladas, e assim a força motriz da natureza aumenta e é também posta sob controle. O poder de se estar silencioso é grandioso e muitas vezes exerce um efeito calmante; por outro lado, aquele que aprender a estar silencioso deve ser cuidadoso para que o seu silêncio não prejudique a sua cortesia, para que ele, pela impropriedade do seu silêncio, não faça com que os outros desanimem ou se sintam pouco à vontade.”

(Annie Besant, Um Estudo sobre a Consciência, Ed. Teosófica, pg 220)

terça-feira, 10 de maio de 2016

LIBERTAÇÃO



“Libertação é essencialmente se libertar do carcereiro do egoísmo frio e venenoso do qual todo o mal que vemos é apenas o resultado monstruoso. Nossa experiência diária pode ensinar-nos que o amor, como uma emoção ou força abnegada, é o único supremo libertador de nosso egocentrismo.
Infelizmente, nos dias de hoje, a palavra amor assumiu uma importância aviltada. (...) Não é o amor de São Paulo em sua carta aos Coríntios ou bhakti (devoção com autoentrega) do verdadeiro devoto.”

(N. Sri Ram, O Interesse Humano, Ed. Teosófica, 38)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

FELICIDADE


“As indagações fundamentais da existência humana – tais como por que estarmos aqui, para onde vamos – produziram respostas diversas em diferentes tradições filosóficas. 
Mas é indiscutível que um coração generoso e ações íntegras levam a uma paz maior.
É igualmente claro que seus opostos têm consequências indesejáveis.
A felicidade provém de causas virtuosas. Se a desejamos de fato, não há outro meio de proceder a não ser pela virtude: ela é o caminho pelo qual se alcança a felicidade.
E podemos acrescentar que a base da virtude, o solo onde estão suas raízes, é a disciplina ética.” 

(Dalai-Lama – O Caminho da Tranquilidade – Ed. Sextante, Rio de Janeiro – p. 61)

domingo, 8 de maio de 2016

TRANQUILIDADE


“A tranquilidade é o estado ideal com o qual deveríamos receber todas as experiências da vida. O nervosismo é o oposto da tranquilidade, e o seu predomínio hoje em dia faz dele algo muito próximo a uma epidemia mundial.
A melhor cura para o nervosismo é o cultivo da tranquilidade. A pessoa que é naturalmente tranquila não perde o senso de razão, de justiça ou de humor em nenhuma circunstância. (...)”

(Paramahansa Yogananda – Paz Interior – p. 05/06)

sábado, 7 de maio de 2016

AUTOCONHECIMENTO


"Um dos fatos chocantes dos tempos atuais é a falta de compreensão sobre a natureza do homem. O Homem está tentando saber tudo no universo. Ele pode dizer com certeza de que são feitas as estrelas distantes de nós milhões de quilômetros. Ele conhece detalhadamente a constituição dos átomos e moléculas. Entretanto, sobre si mesmo praticamente nada sabe e, o que é pior, está muito satisfeito de viver sua vida sem cogitar de onde vem, qual a sua natureza real, porque está aqui neste mundo e para onde vai após a morte. É realmente espantoso como a grande maioria da população do mundo pode viver toda uma vida sem fazer essas perguntas naturais, ou mesmo tomar conhecimento de sua existência."

(I. K. Taimni - Autocultura à Luz do Ocultismo – Ed. Teosófica, Brasília)

sexta-feira, 6 de maio de 2016

O ENCONTRO COM DEUS



"Cada um de nós é filho de Deus. Nascemos do Seu espírito, em toda pureza, glória e alegria. Essa herança é inalienável. (...) A Bíblia diz: “Não sabeis que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” Lembre-se sempre: o Pai o ama incondicionalmente. (...) Não precisamos fugir para a floresta para buscá-Lo. Podemos encontrá-Lo diariamente nessa floresta da vida cotidiana, na gruta do silêncio interior." 

(Paramahansa Yogananda – No Santuário da Alma – 03/04).

quinta-feira, 5 de maio de 2016

O HOMEM NOS TRÊS MUNDOS


“O homem como sabemos, vive normalmente em três mundos: o físico, o emocional e o mental, e é colocado em contato com cada um desses mundos através de um corpo fornecido por esse tipo de matéria. E atua em cada um desses mundos por meio de um corpo apropriado. Portanto, ele cria resultados em cada um desses corpos, de acordo com as respectiva leis e poderes, e todos eles estão dentro dos limites da lei do karma que tudo abrange. Durante sua vida diária, quando acordado, o homem está criando ‘karma’, isto é, resultados, nesses três mundos, a que chega pela ação, pelo desejo e pelo pensamento.”

(Annie Besant, Os Mistérios do Karma e a sua Superação, Editora Pensamento, pg 43)

quarta-feira, 4 de maio de 2016

SÁBADOS COM OTÁVIO MARCHESINI

A NATUREZA DA EVOLUÇÃO


“Compreender a natureza da ciência é compreender a natureza de seu crescimento. Compreender a natureza da evolução é compreender como ela transcende a si mesma.
Compreender a natureza da evolução é o começo da sabedoria.
Evolução é tudo. E nada há além. Além da evolução nada existe. Ela significa o processo que gerou o todo. Gerou, mas não é gerada. Ela é, portanto, o primeiro movimento das coisas. O que existia antes da evolução, não sabemos. Uma vez iniciada, a evolução é o processo e o produto; o ponto de partida e o ponto de chegada.”

(Henryk Skolimowski, O Teatro da Mente, Editora Teosófica, pg. 59)

terça-feira, 3 de maio de 2016

PERCEBIMENTO


“‘Observa com muita seriedade o teu próprio coração.’

Num exame superficial, esta intrução parece radicar-se no egoísmo. Observar nosso próprio coração não é uma maneira de visar interesses próprios? Mas um exame mais profundo desta intrução tende a projetar intensa luz no problema da inteligência. Que significa este aforismo que nos pede para observar muito seriamente nosso próprio coração? Pede ao neófito que seja sensível aos estímulos do próprio coração. Na maioria das vezes, ouvimos a mente e nunca o coração.”

(Rohit Mehta, Procura o Caminho, Editora Teosófica, pg. 101)

segunda-feira, 2 de maio de 2016

VIVEKA




“Discernimento, chamado em sânscrito “Viveka”, é uma das bases para a pesquisa do real. É saber discernir entre o falso e o verdadeiro, entre o eterno e o passageiro. É qualidade indispensável, segundo as palavras de Sri Shankara Acharya, o maior mestre vedantino de todos os tempos, escritor de A Joia Supremo do Discernimento (Viveka Chudamani).”


(Osvaldo Rodrigues Condé Filho, Introdução ao Esotérico, Thot Editora, pg 25)

domingo, 1 de maio de 2016

NATUREZA



"Dependemos da natureza não apenas para nossa sobrevivência física. Precisamos dela também para mostrar-nos o caminho para dentro de nós, para libertar-nos da prisão da mente. Ficamos perdidos fazendo coisas, pensando, lembrando, prevendo - perdidos nas complicações e no mundo de problemas. 
Esquecemos o que as pedras, as plantas e os animais ainda sabem. Esquecemos como ser - ser calmos, ser nós mesmos, estar onde a vida está: Aqui e Agora.”

(Eckhart Tolle - O Poder do Silêncio - Ed. Sextante, Rio de Janeiro, 2010 - p. 50/51)