domingo, 28 de agosto de 2016

EQUILÍBRIO E JUSTIÇA


De acordo com a sabedoria chinesa, os opostos se sucedem alternadamente. Depois de uma época de abundância necessariamente advém uma época de escassez. O apogeu sempre dá lugar ao declínio. Depois da tempestade, vem a bonança. Quando as trevas chegam ao máximo, a luz começa a crescer e vai gradualmente substituindo a escuridão. (...)
Por isso os chineses falavam que a vida é uma perpétua alternância entre os princípios Yang e Yin, o positivo e o negativo, o masculino e o feminino, o bem e o mal, a inspiração e a expiração. Segundo eles, dentro do Yin está contido o Yang e dentro do Yang está contido o Yin. Na realidade os dois princípios estão harmonicamente integrados no todo. A alternância cíclica entre esses dois aspectos é vista como parte essencial da expressão da vida na natureza.”

(Eduardo Weaver, Vida e morte na visão de Platão, Revista Sophia, Ano 5, Nº 17, p. 28/29)

sábado, 27 de agosto de 2016

ANIMAIS DOMÉSTICOS


“Os animais domésticos que vivem em nosso lar não são criaturas tão insignificantes, como as pessoas geralmente acham. A Vida Divina, que se encontra no homem, está igualmente no animal, mas nele se encontra num estado mais primitivo e, por conseguinte, menos evoluída. Esta vida deve acelerar o seu desenvolvimento pelo contato com o homem. (...)
O princípio geral referente a nossas relações com os animais domésticos é que eles foram realmente enviados para junto de nós a fim de que, na medida do possível, os seus atributos animais de selvageria fossem substituídos por atributos humanos, porque o que hoje é um animal, algum dia será um homem, assim como no futuro o homem de hoje tornar-se-á um Deus. Aquele que contribui para que a Vida Divina progrida mais rapidamente pelo seu caminho ascendente, esse ajuda, com maior eficiência, a sua própria evolução.”

(C. Jinarajadasa, Teosofia Prática, Editora Teosófica, 2012, p. 22/23)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

AÇÃO SEM AÇÃO


       
“Karma Yoga é o yoga da ação impessoal. A pessoa torna-se mais decidida, mais rápida na ação, mais sábia no julgamento. É a personalidade que obnubila a visão da pessoa e retarda a ação. São os nossos gostos e aversões que nos confundem. A realidade é muito maior do que nossas preferências pessoais.
Os chineses chamam isso de wei wu wei: ação sem ação. É um princípio fundamental do Taoísmo. Equivale a estar em harmonia com a realidade maior. O indivíduo é apenas parte dessa realidade total, uma realidade que estava lá antes de nascermos, e que lá estará muito depois de termos morrido."

(Vicente Hao Chin Jr., Espiritualidade no dia a dia, Revista Sophia, Ano 7, Nº 25, p. 22)

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A OBRIGAÇÃO PRIMÁRIA DO HOMEM


       “É obrigação de cada ser humano olhar cuidadosamente para dentro de si e ver a si mesmo como de fato é, sem poupar sacrifícios no sentido de aprimorar seu corpo, sua mente e sua alma. Ele deveria perceber os danos acarretados pela injustiça, pela perversidade, pela vaidade e por coisas do tipo, e fazer o melhor para combatê-las.
O estado do homem é de provação. Durante esse período ele é testado por forças do mal e também pelas do bem. Ele é constantemente uma presa fácil para tentações, e precisa provar sua coragem resistindo a cada uma delas. Ele não é um guerreiro que combate inimigos imaginários; é incapaz de levantar seu dedo contra inúmeros inimigos que habitam seu próprio ser e, o que é pior, os confunde com amigos.

(Mahatma Gandhi, O Caminho da Paz, Editora Gente, São Paulo, 2014, p.36)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

PALESTRA - O GOVERNO INTERNO DO MUNDO


A NATUREZA DO PRAZER


 "O prazer é a estrutura da sociedade. Da infância à morte, secreta ou ardilosamente, ou abertamente, buscamos o prazer. Assim, qualquer que seja a nossa forma de prazer, acho que devemos vê-la muito claramente, porque será ela que irá guiar e moldar a nossa vida. Por conseguinte, o importante é que cada um de nós investigue com atenção, cautela, precisão, a questão do prazer, porque achar o prazer e depois nutri-lo e mantê-lo constitui uma necessidade básica da vida e sem ele a existência se torna monótona, estúpida, ensombrada pela solidão e sem nenhum significado. 
Compreender o prazer não significa negá-lo. Não o estamos condenando ou dizendo que é bom ou mau, mas, se o cultivamos, façamo-lo de olhos abertos, sabendo que a mente que está sempre a buscar o prazer encontrará inevitavelmente a sua sombra — a dor. As duas coisas não podem ser separadas, embora busquemos o prazer e procuremos evitar a dor."

(J. Krishnamurti, Liberte-se do Passado, Editora Cultrix, p. 18)

terça-feira, 23 de agosto de 2016

A LEI DO CARMA



"A Lei do Carma é a enunciação da relação da causa com o efeito, que se estabelece quando o homem transforma a energia. Essa lei abrange não somente o universo visível e as suas forças como o faz a ciência, mas também esse universo mais vasto e invisível de forças, que é a verdadeira esfera da atividade humana. Do mesmo modo que, com um piscar de olho, o homem projeta no universo uma força que afeta o equilíbrio de todas as outras forças de nosso cosmos físico, assim também, com o vibrar de cada um de seus pensamentos e sentimentos, modifica o seu ajustamento no universo e do universo em si mesmo.”

(C. Jinarajadasa, Fundamentos da Teosofia, Ed.Teosófica, p. 50)

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A JORNADA DA ALMA


"Se nos fosse possível colocar-nos, em pensamento, num centro do espaço, do qual pudéssemos ver o curso da evolução, e estudar a história da nossa cadeia de mundos, tal como podem ser vistos pela imaginação mais do que pelo aspecto que apresentam, poderíamos interpretar o todo num quadro. Vejo uma grande montanha situada no espaço, com um caminho que vai girando em torno dela até atingir seu ápice. As voltas que esse caminho dá até atingir seu ápice. As voltas que esse caminho dá são sete, e em cada volta há sete estações onde os peregrinos ficam durante algum tempo. Dentro dessas estações eles têm de subir, volta por volta. Quando traçamos o caminho que sobe por aquela trilha em espiral, vemos que ele termina no topo da montanha, e leva a um majestoso Templo, como que feito de mármore, de uma brancura radiante, e que ali se ergue, cintilando contra o azul etéreo.
Esse Templo é a meta da peregrinação, e os que estão no seu interior terminaram o seu percurso . (...)"

(Annie Besant, Do Recinto Interno ao Santuário Externo, p. 01/02)

domingo, 21 de agosto de 2016

AS LEIS DA VIDA ESPIRITUAL




“As leis da vida espiritual são as leis da Natureza aplicadas ao homem em busca da rápida ascensão à super-humanidade. Elas são simples em sua essência e não muito numerosas. Uma lei subjaz a todas as leis. O ingresso em cada nova fase de crescimento é acompanhado, e tornado possível, por uma renúncia, uma morte figurada da proteção fornecida à vida durante a fase precedente.
É preciso que se quebre a casca do ovo antes que o pintinho possa sair. O tegumento da semente deve desaparecer antes de ela vir a tornar-se uma planta. Assim também o homem, cujo invólucro é o egocentrismo e a acentuada individualidade. Essas duas características devem ser removidas e substituídas por aquelas pertinentes à nova fase, a qual é de altruísmo e ausência de sentido de eu.”

(Geoffrey Hodson, A senda para a Perfeição, Editora Teosófica, Brasíla, pgs. 31/32.)

sábado, 20 de agosto de 2016

A NATUREZA DA BONDADE


       
“No tratado A filosofia Perene, Adous Huxley afirma: ‘O bem é a conformidade separada do eu, até a aniquilação final no fundamento divino que lhe dá existência; o mal é a intensificação da separatividade, a recusa em reconhecer que o fundamento existe’.
A bondade, portanto, é aquilo que reflete ou tenta refletir a divindade profundamente alojada dentro de nós. Essa divindade não é sua nem minha. Ela penetra tudo que existe, sendo, portanto, um todo indivisível. Por isso, a bondade não pode existir quando pensamos e sentimos que somos indivíduos separados, seres com identidades, interesses e desejos próprios.(...)
É preciso lembrar que a bondade sempre purifica, como afirma o livro A Chave para a Teosofia (Ed. Teosófica): ‘Para cada flor de amor e caridade que plantamos no jardim do nosso vizinho, uma semente daninha desaparece do nosso próprio jardim’. (...)
Inundemos o mundo com pensamentos de amor; eles se disseminarão nos lugares mais longínquos. Assim devemos nos treinar.”

(Surendra Narayan, A natureza da bondade, Revista Sophia, Ano 5, Nº 19, p. 29.)